Ex-responsáveis do BPP condenados a pagar 11 milhões de euros

Onze antigos responsáveis do Banco Privado Português (BPP) vão pagar coimas no valor de 11 milhões de euros, anunciou esta sexta-feira o Banco de Portugal.

As coimas foram o desfecho de um processo "em que se apurava a responsabilidade contra-ordenacional de onze arguidos pela prática de factos ocorridos no contexto da actividade do Banco Privado Português”, explica, em comunicado, a instituição liderada pelo governador Carlos Costa.

Os ex-responsáveis do BPP, banco que era liderado por João Rendeiro, infringiram o regime geral das instituições de crédito e sociedades financeiras.

O Banco de Portugal conclui o processo de contra-ordenação por factos praticados no BPP na terça-feira, 29 de Outubro, e a decisão foi anunciada esta sexta-feira.

Os arguidos condenados a pagar 11 milhões de euros dispõem agora de um prazo de 15 dias úteis, a contar da notificação, para impugnarem judicialmente a decisão.

O Banco de Portugal decretou o fim do BPP em Abril de 2010. A autorização para o exercício da actividade foi revogada "depois de verificada a inviabilidade dos esforços de recapitalização e recuperação desta instituição desenvolvidos no contexto das providências extraordinárias de saneamento adoptadas", justificou o banco central.

Dezenas de clientes foram apanhados no meio das ondas de choque do caso Banco Privado Português, entre os quais algumas figuras públicas, como Luís Figo, Simão Sabrosa ou Jorge Jesus. De acordo com uma notícia do “Diário Económico” de Fevereiro de 2011, os três reclamavam na altura um total que ronda os dois milhões de euros.

O antigo presidente do BPP, João Rendeiro, e os ex-administradores Fezas Vital e Paul Guichard vão ser julgados por burla qualificada, por decisão do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC).

 

fonte:http://rr.sapo.pt/i

publicado por adm às 09:35 | comentar | favorito