Banca reduz dependência do BCE para mínimos de Março

Os bancos portugueses voltaram a diminuir os seus empréstimos junto do Banco Central Europeu (BCE), em Dezembro.

No final do ano, os bancos portugueses tinham 47,8 mil milhões de euros em empréstimos junto do BCE, o que corresponde ao valor mais baixo desde Março de 2013, segundo os dados divulgados esta terça-feira, 7 de Janeiro, pelo Banco de Portugal.

 

Este foi também o terceiro mês consecutivo de redução da dependência da banca nacional junto da autoridade monetária. Em termos mensais a queda foi de 2,14%, ou 1,05 mil milhões de euros. Já quando analisados os dados homólogos, verifica-se uma redução de 9,3%, ou 4,9 mil milhões de euros.

 

O ano 2013 foi marcado por oscilações no valor total dos empréstimos, tendo sido verificados aumentos entre Junho e Setembro. Desde então os bancos têm vindo a reduzir a sua dependência, afastando-se cada vez mais do máximo histórico de 60,5 mil milhões de euros observado em Junho de 2012.

 

Ainda assim, os valores estão longe dos níveis antes da crise do sistema financeiro. Em Janeiro de 2008 os bancos tinham 1,88 mil milhões de euros de empréstimos junto do BCE. No final desse ano, marcado pela falência do Lehman Brothers, o montante disparou para 10,2 mil milhões, tendo a tendência sido agravada no final de 2009.

 

Os bancos europeus recorreram com maior intensidade ao BCE depois da crise financeira de 2008, provocada pela crise do subprime e pela falência do Lehman Brothers. O sistema financeiro “fechou-se”, com os bancos receosos que ocorressem novas falências e acabaram por não emprestar dinheiro uns aos outros ou a exigir juros elevados.

 

Neste contexto, os bancos com liquidez colocaram-na “estacionada” no BCE e quem precisava de financiamento recorreu ao banco central. O que levou a que o sistema financeiro bloqueasse.

 

O BCE já implementou medidas para tentar dinamizar o sistema, entre elas está a redução da taxa de juro dos depósitos, que se encontra em 0%, e que poderá ser cortada para um valor negativo. O que significa que os bancos que depositarem dinheiro no BCE terão de pagar um juro à autoridade. Esta é uma das medidas que está a ser ponderada pelo banco central para aumentar a liquidez do sistema financeiro.

 fonte:http://www.jornaldenegocios.pt/em

publicado por adm às 20:46 | comentar | favorito
tags: