CGD paga 5,75% numa emissão de 500 ME de dívida

Banco público segue pegadas do BES, primeiro banco nacional a realizar emissões sem garantia estatal desde o resgate

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) emitiu esta terça-feira 500 milhões de euros de dívida senior com um prazo de três anos e uma taxa de 5,75%, tendo a procura ultrapassado em 5,74 vezes a oferta disponível.

«A emissão atraiu uma forte procura», salientou o administrador financeiro do banco público, João Nuno Palma, numa nota à comunicação social, dando conta que dos 2,87 mil milhões de euros de ordens de mais de 200 investidores, 2 mil milhões de euros foram oriundas de investidores internacionais.

Segundo o responsável, isto «reflete o crescente conforto dos mercados internacionais com o risco Portugal», marcando «o regresso aos mercados de uma entidade detida pela República Portuguesa após dois anos e 10 meses de ausência».

A emissão da CGD ofereceu um cupão (juro nominal) de 5,625% e uma taxa (rendimento ao investidor) de 5,75%, que são mais baixos do que os oferecidos recentemente pelo BES na sua emissão de 750 milhões de euros, cujo cupão foi de 5,875% e a taxa de 6% ao ano.

«O cupão de 5,625% constitui o cupão mais baixo de uma emissão obrigacionista de uma entidade portuguesa no passado recente e reflete o estatuto da CGD como national champion[campeão nacional] do sistema financeiro português», realçou João Nuno Palma.

Em termos geográficos, é de assinalar que 88% das ordens de compra vieram do estrangeiro, um facto destacado pelo banqueiro: «Este interesse dos investidores institucionais estrangeiros representa um passo em frente para a CGD e os emitentes portugueses», sublinhou.

O Reino Unido captou a fatia de leão da emissão (34%), seguido pela França (12,4%), por Portugal (12%), pela Itália (10,1%), pela Alemanha e Áustria (7,4%), pela Suíça (6,4%), pela Espanha (5%), pelos países do Benelux, Bélgica, Holanda e Luxemburgo (2,5%) e pelo Médio Oriente (1,9%), ficando 8,4% dispersos por outros países.

As gestoras de ativos absorveram 65,7% da emissão (328,5 milhões de euros), os bancos 22,8% (113,8 milhões de euros), as seguradoras 4,6% (23 milhões de euros) e outros investiodres ficaram com 6,9% dos títulos (34,7 milhões de euros).

«Este é um passo fundamental para a CGD que demonstra ter acesso aos mercados e reforça a nossa estratégia de desalavancagem e a postura conservadora face aos desafios atuais, enquanto apoiamos a economia portuguesa», considerou João Nuno Palma.

O responsável acrescentou que as posições de liquidez e de capital do banco público «são muito sólidas» e que a CGD «continua confiante no futuro e feliz por sentir o apoio dos mercados institucionais».

Por último, o banqueiro sublinhou que a entidade «está empenhada em apoiar o crescimento da economia portuguesa, com o foco particular no setor dos bens transacionáveis».

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/fi

publicado por adm às 22:38 | comentar | favorito