BCP despediu 230 até Junho e vai continuar a cortar

O Millennium BCP reduziu o seu quadro de pessoal em 230 trabalhadores entre Janeiro e Junho, mas os cortes vão prosseguir, até por causa das exigências feitas por Bruxelas, revelou esta segunda-feira o presidente Nuno Amado. 

“Metade das saídas está relacionada com o 'outsourcing' [externalização de serviços], onde passam a ser feitas algumas tarefas que antes eram feitas pelos funcionários do banco. Há também uma componente forte de reformas antecipadas e, depois, alguns acordos de rescisão”, especificou o banqueiro na conferência de imprensa destinada à divulgação das contas do semestre. 

Nuno Amado admitiu que a saída de funcionários não ficará por aqui, mas escusou-se, para já, a dar mais detalhes sobre a matéria, já que ainda está por fechar o acordo entre o Ministério das Finanças e a Direcção da Concorrência da Comissão Europeia, devido à ajuda estatal que o BCP recebeu no âmbito do seu processo de capitalização. 

“Temos um acordo para reduzir sucursais e não só. Não vou entrar em detalhes porque o acordo ainda não está fechado", sublinhou Nuno Amado. 

Quanto ao compromisso estabelecido com Bruxelas sobre o plano de reestruturação do BCP, o banqueiro apelidou-o de “muito razoável”, considerando que o mesmo “vai ao encontro dos interesses do banco”. 

Só no ano passado, o BCP levou a cabo um programa de rescisões amigáveis que levou à saída de 600 colaboradores do banco. 

O Banco Comercial Português encerrou o primeiro semestre do ano com um resultado líquido negativo de 488 milhões de euros, uma melhoria face ao prejuízo de 544 milhões registado no semestre homólogo de 2012. Um resultado, segundo Nuno Amado, “em linha com o plano e com o ciclo económico”. 

O presidente do banco anunciou ainda que o BCP pagou, no primeiro semestre, 169,4 milhões de euros ao Estado. “Nós demos o nosso contributo para o défice”, realçou Nuno Amado.
fonte:http://rr.sapo.pt/
publicado por adm às 22:12 | favorito
tags: