CGD promove 15% do pessoal para compensar subsídios

«Valeu a pena protestar». As palavras são da federação que agrega os sindicatos dos trabalhadores da banca, a Febase. Em comunicado publicado no seu site, a Federação anuncia que a Administração da CGD vai aplicar algumas das suas propostas, e promover 15% dos trabalhadores, de modo a compensar asuspensão dos subsídios de féria e Natal.

«Após a concentração de protesto de trabalhadores e reformados do Grupo CGD, a administração da Caixa informou a Febase que vai aplicar algumas das propostas apresentadas pela Federação para minimizar os prejuízos causados pelo corte dos 13.º e 14.º meses», escreve a Febase.

Segundo os sindicatos, a administração da CGD informou já que «vai aplicar as promoções por mérito (que estavam suspensas), bem como vai abrir uma linha de crédito no valor de 10% do rendimento bruto auferido em 2010 pelo trabalhador, com uma carência de capital durante dois anos e pelo prazo de seis».

«Estas soluções são a demonstração de que vale a pena os trabalhadores não baixarem os braços e expressarem o seu descontentamento», alegam os sindicatos.

Apesar de se congratular com esta evolução positiva, a Febase deixa claro que as medidas agora anunciadas representam muito pouco face aos sacrifícios impostos e «mais não são do que o cumprimento do Acordo de Empresa (AE), unilateralmente suspenso pela administração da Caixa». 

«Além disso, estas medidas em nada beneficiam os trabalhadores em situação de reforma, a quem foi já retirado o subsídio de férias ¿ e pretendem fazer o mesmo ao de Natal ¿ sem que nada seja apresentado para tentar apoiá-los nas dificuldades que advêm desses cortes».

A Febase mantém «a sua total oposição» às medidas do Orçamento do Estado para 2012 aplicadas no Grupo CGD, pelo que «os serviços jurídicos dos seus Sindicatos estão já a ultimar os respectivos processos judiciais».

Assim, vão dar entrada nos tribunais quatro tipo de acções, de forma a abranger todas as situações: trabalhadores com contrato de provimento; com contrato individual de trabalho; pensionistas da CGD, e reformados do ex-BNU.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/f

publicado por adm às 22:50 | comentar | favorito