BBVA lança novo serviço de banca online

O ‘BBVA Consigo’ é um novo serviço que integra banca virtual e aconselhamento personalizado à distância.

Para o administrador-delegado do BBVA em Portugal, Alberto Charro, a instituição está a lançar o "modelo de banca do futuro". Em declarações ao Diário Económico, o responsável afirmou acreditar que "o modelo de distribuição como o conhecemos hoje é um modelo que vai morrer connosco", notando que é difícil imaginar o segmento mais jovem da população a dirigir-se a uma agência bancária.

Foi com esta convicção que o BBVA experimentou, durante os últimos dois anos, aquele que é o novo serviço de gestão de clientes do banco, que integra aconselhamento personalizado à distância com as funcionalidades da banca virtual. "Cada vez menos o cliente quer ir a uma agência. A banca tem tentado responder a essa procura" e para isso, sublinha Alberto Charro. E adiantou: "São precisas novas formas de distribuição. Só se consegue sobreviver no mercado bancário se se conseguir alterar o modelo para todos os clientes." Isto numa altura em que os portugueses vão cada vez menos às agências bancárias. No entanto, as inúmeras funcionalidades dos ATM em Portugal acabam por tornar ‘desnecessário' o recurso a outras plataformas, como o ‘net banking'.

A diferença do ‘BBVA Consigo', explica Alberto Charro, é que "ele permite fazer coisas que geralmente só se fazem presencialmente, como assinar um contrato de crédito à habitação ou fazer depósitos em moeda estrangeira. É um modelo ‘high-service' que ainda por cima não tem custos adicionais para o cliente".

Esta nova plataforma permite, entre outras coisas, ter uma assinatura digital, que é feita através de uma chave de dados reconhecida judicialmente.

A plataforma, que só na fase piloto já serve 11% dos clientes BBVA Portugal, é responsável por 24% do volume de negócio da instituição. "O nosso objectivo é chegar aos 40 ou 50% de clientes", afirmou o administrador. "Não podemos já matar os balcões. Que eles vão morrer connosco mas nós ainda não morremos", brincou. "Temos que conseguir atingir um meio termo entre o cliente autónomo e o cliente que precisa muito do contacto de físico, que gosta do aperto de mão", explicou o responsável, lembrando que Portugal é ainda um País em que o conservadorismo muitas vezes leva a esta necessidade do cliente de ‘estar' com o seu banco. No entanto, Alberto Charro não tem dúvidas de que a médio prazo "as agências passarão a ser um lugar apenas para um primeiro contacto com o banco".

BBVA acredita que Portugal está sob "stress excessivo"

O BBVA Research vai ter todos os meses um documento especifico para a economia portuguesa equiparado aos do Banco de Portugal, com previsões e estimativas, sendo que o grande diferencial são as previsões em tempo real do crescimento do PIB português. O BBVA prevê uma contracção anual do PIB de 2,9% em 2012, ou seja, um cenário menos pessimista do que a contracção de 3,2% prevista pelo BdP. O modelo de curto prazo do BBVA prevê um prolongamento da recessão nos próximos trimestres. Na mesma ocasião, os responsáveis pelo observatório sublinharam que Portugal está "sob um stress financeiro muito elevado e, quanto a nós, até excessivo. O Governo está a demonstrar a força necessária para levar a cabo reformas importantes. Por esta razão, entendemos que [apesar dos indicadores negativos registados no estudo] Portugal não terá que se submeter a uma situação de restruturação voluntária da sua dívida." No entanto, admitem que "a eliminação dos desequilíbrios vai levar bastante tempo".

 

fonte:http://economico.sapo.pt/n

publicado por adm às 21:52 | comentar | favorito
tags: