BBVA lança um novo portal imobiliário

Juros baixos, casas com desconto e financiamento a 100% atraem clientes e ajudam bancos.

Desde há meses que os bancos têm colocado à disposição dos clientes os imóveis que têm em carteira, com condições especiais, como financiamento a 100% e taxas de juro mais atractivas. Uma forma de "facilitar a vida ao banco e aos clientes", explica Luís Castro e Almeida, Director de Desenvolvimento de Negócio do BBVA, em declarações ao Diário Económico, na semana em que o banco decidiu "ir mais longe" na venda dos imóveis em carteira, como nota este responsável.

O banco espanhol lançou um portal imobiliário onde os clientes podem pesquisar quais os imóveis disponíveis para compra, "com financiamento a 100% e ‘spreads' que andam entre 1% e 3%", explica Castro e Almeida. Além disto, os "clientes BBVA podem ter mais descontos em alguns dos imóveis". Desta forma, acredita, é possível "resolver dois problemas: o do banco e o dos clientes. Quem tiver possibilidades, tem uma óptima oportunidade para comprar casa", salienta.

Além de estarem disponíveis os imóveis que o banco tem em carteira, o BBVA dá ainda aos seus clientes de crédito à habitação a opção de colocar o seu imóvel à venda no portal. "Os clientes que pretendam vender a sua casa, porque já não têm capacidade para pagar o crédito, ou por outra razão, podem colocá-la no site. Têm é que a colocar com desconto, mas as condições de financiamento são as mesmas", garantiu.

O portal, apresentado esta semana, tem disponíveis 700 imóveis, na sua maioria pertencentes a clientes. Luís Castro e Almeida afirma estar "com expectativas bastante elevadas" em relação ao sucesso do portal, salientando que a iniciativa tem tido um resultado bastante positivo em Espanha, onde o mercado atravessa problemas idênticos aos de Portugal.

Comprar casa é um hábito inculcado na cultura portuguesa. As famílias preferem ter casa própria, algo que deixar para os filhos, mas o paradigma tem mudado ao longo dos anos. Se antes era comum "trabalhar-se praticamente a vida inteira" e comprar casa aos 40 ou 50 anos - com a família estabilizada e pagando, à partida, a maior parte do valor do imóvel - a facilitação do crédito alterou as regras, realça Castro e Almeida. São cada vez mais os jovens que se endividam para fazer um crédito à habitação e viver numa casa que podem chamar de sua. No entanto a crise veio ‘trocar-lhes as voltas' e muitas casas acabam nos balanços dos bancos por incumprimento dos pagamentos, o que tem levado as instituições a serem cada vez mais criativas na oferta destes produtos.

Crise pode ser oportunidade para comprar imóveis com desconto

Além dos imóveis que os bancos têm em carteira e que vendem com desconto e condições especiais de financiamento, vale a pena estar atento aos leilões de imóveis. Estes eventos poderão ser uma boa alternativa para adquirir um imóvel mais em conta ou mesmo realizar um bom investimento. Isto porque nesses eventos grande parte da oferta disponível corresponde a casas penhoradas pelos bancos e em que os preços-base de licitação são consideravelmente inferiores aos de mercado. Entre o leque de imóveis que habitualmente são sujeitos ao bater do martelo surgem oportunidades de negócio com descontos que podem chegar a 45% face ao seu preço comercial. No entanto, existem alguns cuidados que não devem ser ignorados em todo esse processo. Ainda antes de ir a um leilão, defina em que tipo de imóveis está interessado. Nomeadamente a tipologia, o ano de construção, a zona geográfica e, claro, a base de licitação e o preço que está disposto a pagar. Deve também procurar saber os preços dos imóveis que estão em venda na zona. Se tiver de recorrer ao crédito para a compra do imóvel deve também contactar os bancos, antes do leilão, para saber se reúne condições para o financiamento. Isto porque, caso arremate a casa e depois desista da compra, irá perder o valor da caução bem como do sinal. Um valor que é considerável.

fonte:http://economico.sapo.pt

publicado por adm às 22:03 | favorito
tags: