Bancos despediram mais de 1200 pessoas

Os bancos portugueses reagiram à conjuntura económica adversa com a racionalização das suas redes de retalho, tendo sido encerrados 152 balcões e extintos 1.282 postos de trabalho em 2011, revelou esta terça-feira a Associação Portuguesa de Bancos (APB).


Após vários anos de expansão, a rede de agências bancárias no país registou um decréscimo de 152 balcões, fechando o ano passado com um total de 6.080 agências, de acordo com o Boletim Informativo da APB relativo a 2011.

Já o número de colaboradores desceu 2,2 por cento no mesmo período para um total de 57.130 funcionários, o que representa uma perda de 1.282 postos de trabalho face a 2010.

"Esta evolução deveu-se essencialmente à aplicação de políticas de redução de custos", explicou a APB.

Dada a contracção da actividade bancária, apenas houve a substituição de menos de 50 por cento dos 2.742 colaboradores que saíram em 2011. Isto significa que, por cada dois empregados que deixaram as instituições, apenas foi contratado um.

"A entrada em reforma foi a principal forma de saída destes empregados, representando 39,1 por cento dos casos, mas quase 85 por cento foram reformas antecipadas", revelou a entidade liderada por Faria de Oliveira.

"Também o término de contratos a prazo pesou no total das saídas de colabores, atingindo os 28,6 por cento, enquanto as saídas por iniciativa voluntária do trabalhador e por mútuo acordo foram responsáveis por 21,2 por cento. As saídas por despedimento representaram apenas 3,2 por cento do total", acrescentou a APB.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/n


publicado por adm às 22:30 | favorito